O Centro Mãos na Terra, existe em pensamento desde o ano 2006, quando a arquiteta Márcia Oliveira, na altura ainda estudante da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, em Portugal, desenvolveu a sua tese de conclusão de licenciatura sobre o tema "Mãos à Terra - Construção a baixo custo para Moçambique". Desde então, o seu percurso profissional foi orientado em torno desse tema.

Indonésia

Indonésia / Acto de entrega de nova casa a uma das famílias afectadas pelo tsunami do Indico, que ocorreu em 2004 em Sigli, ao abrigo do programa de reconstrução pós Tsunami levada a cabo pela organização Architect d’Urgence

Em 2008, ao abrigo do programa de reconstrução pós-tsunami, que ocorreu no oceano Índico em 2004, esteve 6 meses como voluntária na Indonésia, com a organização Arquitetos de Urgência, a desenvolver e a acompanhar a construção de casas para realojar a população afetada pelo terramoto. Em 2009, instalou-se em Auroville (comunidade internacional no Sul da Índia) onde trabalhou durante 2 anos em gabinetes de arquitetura, revelando-se uma experiência muito rica na aprendizagem diversificada de técnicas de construção locais, ecológicas e a custos reduzidos.

Hoje, em Moçambique, país onde viveu toda a sua adolescência e onde reside actualmente, após o convite e troca de ideias com o fundador da ONG "The Big Hand for children's", decide levar a avante a implementação deste sonho.
Assim, avança para a criação de um centro de formação, investigação e desenvolvimento de técnicas construtivas ecológicas e a custos reduzidos. Este pretende criar ferramentas que permitam ao povo moçambicano incrementar significativamente as condições de habitabilidade e a sua sustentabilidade futura. Este é um projeto nascido em Moçambique e para Moçambique.

Índia

Índia / Reunião de projeto com a directora da unidade industrial Upassana, sobre o projeto de expansão da unidade de design e produção têxtil em Auroville.

Moçambique

Moçambique / Reunião com a população abrangida pelo projecto de reassentamento rural promovido pela empresa Nestlé, no Dondo